A Hungria segundo Leandro

Desde 1999 no Leste Europeu, Leandro Marcolini Pedroso de Almeida é referência para húngaros e cipriotas. O jogador, que nasceu em Cornélio Procópio, no estado do Paraná, quase se profissionalizou no futebol de salão, mas foi no futebol de campo em que se identificou.

Passou pelas bases de Corinthians e Londrina, onde dois empresários o levaram para a Hungria devido ao desempenho do mesmo no clube paranaense. Aterrisou em território europeu com 17 anos de idade, logo assinando um contrato de um ano com o MTK Budapeste, seu primeiro clube e onde conquistou seu primeiro título como profissional: a Taça da Hungria de 1999/2000.

Com um ano de contrato com problemas de adaptação ao clube, quando se transferiu para o recém-promovido Szombathelyi Haladás no ano de 2001, onde teve mais visibilidade e mais tempo de jogo. Devido ao bom desempenho, o maior clube da Hungria, Ferencvárosi TC ofereceu-lhe um contrato de quatro anos em 2002.

Leandro (direita) num jogo contra o MTK
Leandro (direita) num jogo contra o MTK

Em três anos, Leandro havia conquistado duas copas (2002/03 e 2003/04) e um campeonato nacional (2003/04) atuando pelo Ferencvárosi.

O gol mais importante do jogador aconteceu contra o Siófok, na temporada 2003/04. O jogador conta porque:

“O campeonato estava muito disputado, faltando três rodadas para o fim da temporada. Estávamos em quarto colocado e jogaríamos fora de casa contra o primeiro, com o segundo e terceiro se enfrentando na mesma rodada. A diferença entre os times era de dois pontos, então se perdessemos, poderíamos dar adeus ao título.

Saímos ganhando de um a zero e sofremos a virada para dois a um. Faltando cinco minutos para o fim do jogo nosso time empatou e, no último minuto, me sobrou uma bola no bico da área. Matei no peito e bati – meio de trivela: foi lá na gaveta. Ganhamos por 3 a 2 esse jogo, com os concorrentes diretos empatando. Esse resultado foi realmente importante pois só dependeríamos de nós para conquistarmos o título. E conseguimos.”

O jogador foi emprestado ao Atlético Paranaense, fazendo parte da equipe que foi vice-campeã da Libertadores da América em 2005. No seu retorno à Hungria, seu contrato chegou ao fim. Ciente disso, o Debreceni VSC afirmou um acordo de 3 anos e meio com o paranaense já para a temporada 2006/07.

Pelo Debreceni, o jogador foi campeão duas vezes do campeonato (2006/07 e 2008/09), uma vez da copa (2007/08) e duas vezes da Super Copa (2007 e 2009). Além disso, marcou 23 gols em 85 jogos em que atuou pelo time de Debrecen, o que levou a ser coroado como Melhor Jogador do Campeonato de 2007 na Hungria.

O time que foi campeão em 2008/09 fez o inimaginável: alcançar a fase de grupos da UEFA Champions League. Leandro fez gols cruciais para tal, como por exemplo o gol da vitória contra o campeão estoniano Levadia Tallinn. Haviam 14 anos que clubes húngaros não chegavam tão longe em uma edição de Champions League, e por isso Leandro é tão amado pelos fãs deste clube. Apesar de não conquistar pontos num grupo que continha Liverpool, Fiorentina e Lyon, a experiência foi espetacular para o jogador.

Lucas Leiva não escapou da audácia de seu compatriota
Lucas Leiva não escapou da audácia de seu compatriota

No meio da temporada 2009/10, o clube cipriota Omonia Nicosia fez uma oferta por Leandro, com o jogador aceitando e se transferindo para o clube com maior reputação no Chipre em um contrato que duraria quatro anos.

Mesmo sendo o maior clube do país, o Omonia não conquistava o campeonato haviam sete anos. Tabu este que foi quebrado com a chegada de Leandro, onde foi campeão nacional logo na primeira temporada. Além do campeonato, Leandro foi campeão da Copa do Chipre (2011 e 2012) e da Super Copa (2010 e 2012).

Time da capital, o Omonia voltou a ser campeão após sete anos, com Leandro sendo um dos pilares do time
Time da capital, o Omonia voltou a ser campeão após sete anos, com Leandro sendo um dos pilares do time

Meia-esquerda de ofício, Leandro teve que apostar na versatilidade para se destacar. Segundo ele, sempre jogou melhor de lateral-esquerdo.

Recentemente retornou ao Ferencvárosi, onde integra o time que tem muitas possibilidades de ser campeão nacional nessa temporada – 2015/16.


Em entrevista exclusiva para o Eurovisão, Leandro contou mais sobre a vida na Hungria:

“A vida é ótima aqui. É um lugar muito seguro com muita gente amigável e honesta em geral. O mais interessante é que isso também se estende aos estrangeiros que aqui habitam.”

“Há poucos hábitos curiosos sobre os húngaros, mas algo que posso destacar é a mania de eles comerem muita sopa, mesmo nos meses de verão”, disse. Falando como futebolista, o momento mais marcante da carreira foi a convocação para a Seleção Húngara de Futebol, onde atua desde 2004.

Segundo Leandro, o futebol brasileiro é baseado em técnica e habilidade, com foco nas jogadas individuais. Na Hungria o jogo é baseado em táticas e forma física.

Ele não vê a Seleção Nacional chegar pelo menos próxima da Geração Puskás num futuro próximo, com aquele time sendo incrível, de acordo com o jogador. Hoje em dia os húngaros estão tentando melhorar as camadas juvenis, apoiando os jovens jogadores do país. Porém, acha muito bom que estrangeiros tenham seu valor tanto na liga quanto na Seleção.

O jogador desempenha como lateral-esquerdo na Seleção Húngara e jogou as eliminatórias para a Eurocopa de 2016 pela Seleção
O jogador desempenha a função de lateral-esquerdo na Seleção Húngara

Quando perguntado sobre a questão de racismo com os imigrantes, Leandro diz nunca ter sofrido problemas. Apesar do alto número de africanos na Hungria, há poucos problema em relação ao preconceito.

O jogador assimilou o modo de vida cipriota com o brasileiro, na qual diz ser muito próximo. Ele disse que não teve nenhum problema de comunicação, já que os cipriotas falam grego e inglês, então morou tranquilamente por cinco anos na ilha.

Com 33 anos atualmente, ele pretende morar na Hungria mesmo após sua aposentadoria. Leandro diz que sua relação com o técnico da Seleção Húngara, Bernd Stock, cresce cada vez mais e confirma que o técnico tem sua confiança para desempenhar um ótimo papel na Seleção Magyar.

Invicto e isolado no Campeonato Húngaro, o Ferencvárosi tem largas chances de ser campeão nacional pela 29ª vez, com o último título conquistado em 2004. O jogador falou sobre a campanha:

“Temos que trabalhar duro para vencer o campeonato. Melhorar muito. Só assim conseguiremos nos qualificar para a Champions League”

Leandro já foi bicampeão pelo Debreceni (foto) e campeão nacional atuando no Ferencvárosi
Leandro já foi bicampeão pelo Debreceni (foto) e campeão nacional atuando no Ferencvárosi

Posted by Luis Felipe Zaguini

Futebol é meu oxigênio.